Paróquia São Francisco de Assis

Rua Raposo Tavares, 180, Vila Assis - Sorocaba, SP

(15) 3231 3100

Artigos › 13/04/2020

A SAÚDE MENTAL EM TEMPOS DE PANDEMIA

Diante da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), reconhecido pela OMS (Organização Mundial da Saúde), muitas pessoas estão passando por períodos de extrema pressão psicológica devido à incerteza do momento, os riscos de contaminação e a necessidade de isolamento social que podem se agravar ou causar problemas mentais.

O COVID-19 está afetando várias pessoas em muitos países e regiões. As pessoas infectadas merecem nosso apoio, compaixão e gentileza. Não faça referência às pessoas infectadas como “casos de covid-19” ou “vítimas”, “famílias de covid-19”, “adoentados”, pois após recuperados, continuarão sua vida normal em família, no trabalho e com os entes queridos. Portanto, demonstre empatia com todos eles. Diminua a leitura ou algum tipo de contato com notícias que podem causar estresse e ansiedade. Busque informações apenas de fontes confiáveis. A grande demanda de notícias sobre um surto pode induzir qualquer pessoa à preocupações desnecessárias. Proteja a si e apoie os outros os ajudando nos momentos de necessidade. O auxílio a outras pessoas que estão em um momento de carência sempre ajuda a quem recebe esse apoio e também a quem dá esse auxílio. Evite formas errôneas de lidar com o estresse como o uso de tabaco, álcool ou outras drogas. Eles irão piorar seu bem-estar físico e emocional a longo prazo.

Agentes de Saúde: Aos trabalhadores desse setor que sentem a pressão em lidar com uma situação dessas, é normal se sentir assim por conta da vazão da pandemia. O estresse e as sensações associadas a esse quadro não significam que você não seja capaz de fazer o seu trabalho ou que seja uma pessoa fraca. O gerenciamento da sua saúde mental e o seu bem-estar psicossocial durante este momento é crucial para que você possa manter sua saúde física também. Cuide de você. Na comunicação com outras pessoas, seja simples, pois muitas delas podem ter alguma dificuldade em entender as mensagens por algum tipo de deficiência (cognitiva, visual, auditiva e física).

Cuidadores de crianças: Frente aos medos, inseguranças e ansiedades, ajude às crianças à se expressarem de forma positiva. Cada uma tem sua própria forma de se expressar. Por vezes, alguma atividade criativa, jogos e desenhos podem ajudar, pois as crianças se sentirão melhor e mais aliviadas. Mantenha as rotinas familiares sempre que possível e crie novas rotinas principalmente com as crianças em casa. Pense em atividades lúdicas e pedagógicas para fazer com elas. Sempre que possível, incentive as crianças a continuarem brincando e se sociabilizando com os outros, mesmo que somente na família por causa do distanciamento social no momento.

Idosos, cuidadores e pessoas com problemas de saúde: Idosos, em especial o que estão em isolamento social e aqueles com problemas cognitivos como demência podem se tornar ansiosos, estressados, com raiva, agitados e distanciados durante a quarentena. Proporcione a eles apoio emocional por meio de redes de familiares. Compartilhe apenas fatos simples sobre o que está acontecendo com informações claras a respeito da redução de riscos. Repita as informações sempre que necessário, elas tem de ser claras e precisas.

Pessoas em isolamento: Durante esse período de estresse, esteja atento a seus sentimentos e demandas internas. Pratique atividades saudáveis e aproveite para relaxar. O exercício constante e o sono regular ajudam bastante. Mantenha sua rede de amigos e conhecidos, ainda que isolado, tente ao máximo manter sua rotina e crie novas. Você pode manter a proximidade digital com e-mails, redes sociais, telefone, teleconferências etc.

Seguimos acompanhando a situação de nossa sociedade frente à crise que estamos enfrentando no momento. Esta crise nos aponta para algo sem precedentes na circunstância atual, trazendo desafios para o exercício profissional. Neste contexto, temos visto a criação de estratégias na direção de ofertas de cuidados físicos e psicológicos à população, especialmente às pessoas pertencentes aos grupos vulnerabilizados pelo sistema social. Existem formas de atendimento que não precisam ser presencial. Hoje, através da tecnologia, há procedimentos que podem ser realizados “online” com a mesma qualidade dos serviços prestados. A garantia do sigilo e da confidencialidade será preservada ao máximo, seja em atendimentos realizados por vias presenciais, seja em atendimentos realizados por vias online. Portanto, procure um profissional.

Daiane Fantim Coimbra – Psicóloga – Paroquiana na comunidade Nossa Senhora do Carmo – Equipe de Redação PASCOM.